Diferença entre óvulos congelados ou frescos

A escolha entre óvulos congelados e óvulos frescos é uma consideração fundamental para quem está pensando em preservar sua fertilidade ou iniciar tratamentos de reprodução assistida. 

Os óvulos frescos são aqueles coletados diretamente após a estimulação e punção ovárica, podendo ser imediatamente utilizados em procedimentos de fertilização in vitro (FIV) ou Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides (ICSI). 

Por outro lado, os óvulos congelados passam por um processo de vitrificação, onde são rapidamente resfriados a temperaturas extremamente baixas (-196°C) em nitrogênio líquido, permitindo que sejam armazenados por um período prolongado sem perder sua viabilidade.

A vitrificação de óvulos é uma técnica avançada de criopreservação que evita a formação de cristais de gelo dentro da célula, o que poderia danificá-la. Este método assegura que, quando esses óvulos são descongelados para uso futuro, mantêm uma alta taxa de sobrevivência e capacidade de fertilização. 

Ao comparar óvulos congelados e frescos, é importante notar que, graças aos avanços na técnica de vitrificação, os resultados reprodutivos de óvulos congelados são agora comparáveis aos alcançados com óvulos frescos. 

Essa equivalência nos resultados é uma notícia encorajadora para muitas pessoas que, por diversas razões, optam por congelar seus óvulos para uso futuro. Dessa maneira, a escolha entre utilizar óvulos congelados ou frescos pode depender de vários fatores pessoais e médicos, mas a eficácia reprodutiva não precisa ser uma preocupação primordial graças às técnicas modernas de vitrificação.

Como funciona congelar óvulos?

O processo de congelamento de óvulos é uma combinação de ciência avançada e cuidado médico meticuloso. A Dra. Granados explica que “para obter os óvulos, é necessário primeiro uma estimulação ovárica e posterior punção sob anestesia, semelhante aos procedimentos de FIV”. Essa é a primeira etapa para assegurar que os óvulos adequados sejam coletados para o processo de vitrificação.

Uma vez coletados, “os óvulos maduros serão os mais adequados para serem criopreservados”. Durante a técnica de vitrificação, usam-se substâncias químicas (crioprotetores) para evitar o dano celular pelas baixas temperaturas. Esses detalhes enfatizam a precisão e a sofisticação do processo de congelamento, visando a preservação da integridade dos óvulos.

Após a seleção dos óvulos maduros, eles são colocados em pequenos grupos dentro de um dispositivo chamado cryotop para seu armazenamento seguro. Este método de armazenamento é meticulosamente documentado com os dados da paciente, assegurando a rastreabilidade para a eventual utilização dos óvulos. O rigor no processo de identificação e armazenamento é fundamental para o sucesso do procedimento de vitrificação e subsequente descongelamento dos óvulos.

Além disso, a Dra. Granados destaca a eficácia do processo de descongelamento, mencionando que “ao momento que seja necessário utilizar os óvulos congelados, realiza-se um processo inverso de descongelamento (desvitrificação), utilizando substâncias químicas específicas da técnica”. Este cuidado assegura que os óvulos mantêm uma alta taxa de viabilidade, com uma “taxa de sobrevida ovocitária post descongelamento > 80%”.

Quanto tempo dura o congelamento de óvulos?

A técnica moderna de congelamento de óvulos é surpreendentemente rápida, algo que a Dra. Granados enfatiza ao dizer que “o processo atual de congelamento de óvulos é rápido, em torno de 10 a 15 minutos, já que a técnica assim o requer”. Este fato sublinha a eficiência e a praticidade do processo de vitrificação, facilitando sua adoção como método de preservação da fertilidade.

Os óvulos, uma vez vitrificados, não têm um prazo de validade definido, o que permite um amplo leque de possibilidades para seu uso futuro. Essa característica do congelamento oferece às mulheres maior flexibilidade no planejamento de quando desejam iniciar uma família, sem a pressão dos limites biológicos tradicionais.

Quem pode fazer o congelamento de óvulos?

O congelamento de óvulos é uma opção aberta a uma ampla gama de mulheres, por diversas razões. A Dra. Granados lista quem pode se beneficiar desta tecnologia: “Podem congelar óvulos aquelas mulheres que postergam a maternidade por diferentes motivos sociais ou pessoais, mulheres que têm doenças oncológicas antes de ser expostas ao tratamento da patologia, pacientes com patologias benignas que podem alterar a reserva ovárica, Homens trans que desejem congelar óvulos antes de iniciar o processo de afirmação de gênero”. Essa inclusividade ressalta a importância do congelamento de óvulos como uma ferramenta de empoderamento e preservação da fertilidade.

Além disso, a especialista aponta que “a melhor idade para congelar óvulos é menos de 35 anos”, devido à qualidade dos óvulos começar a diminuir após essa idade. Este declínio é ainda mais pronunciado após os 40 anos, destacando a importância de tomar decisões informadas sobre a preservação da fertilidade em uma idade mais jovem.

Os óvulos congelados podem ser utilizados em diversos tratamentos de reprodução assistida, incluindo a fertilização in vitro com ICSI, utilizando óvulos próprios da paciente ou óvulos de doadoras. Os blastocistos resultantes desses processos de ovodoação podem ser transferidos para a receptora, oferecendo uma chance de gravidez a indivíduos ou casais que, de outra forma, poderiam não ser capazes de conceber naturalmente.

A vitrificação de óvulos é uma técnica revolucionária que oferece esperança e opções para muitas pessoas que desejam preservar sua fertilidade para o futuro. Como bem observado pela Dra. Cintia Granados, este processo não apenas equipara os resultados reprodutivos dos óvulos congelados aos dos óvulos frescos, mas também fornece uma flexibilidade sem precedentes no planejamento familiar.

A vitrificação de óvulos congelados representa um marco importante na autonomia reprodutiva, permitindo que as mulheres tomem decisões informadas sobre sua fertilidade sem o peso dos limites biológicos. A WeBank se orgulha de estar na vanguarda dessa tecnologia, oferecendo soluções de preservação da fertilidade que atendem às necessidades de uma ampla gama de pacientes. 

Dra. Cintia Granados

Medicina Reproductiva
Pesquisar